Magazine Compulsiva: o atacadão dos perturbados

Você é daquele tipo de gente que não pode ver uma porta de armário aberta ou um par de chinelos virado do avesso? Só entra nos lugares com o pé direito? Rói as unhas? Ou prefere os copos de plástico? Tem essa mania de ficar estalando os dedos o tempo todo?

Talvez você já fora alçado a uma condição de maior conceito e adquirira cacoetes mais nobres: quando atravessa a rua pela faixa de pedestres, só pisa em cima das listras brancas, não é? Você tem de esperar o telefone tocar quatro vezes e dar uma coçadinha na orelha antes de atender a chamada? Não termina nada em número impar e afirma que o grande dilúvio final chegará se não deixar suas cédulas de dinheiro convenientemente organizadas por ordem de antiguidade na carteira ou for forçado a pisar dentro daqueles losangos desenhados no piso do hall do prédio?

Ou isso tudo ainda é fichinha para você! Você é tão ‘exótico’, tão disforme que, quando fala das suas manias, é capaz de fazer corar até o Roberto Carlos! Você precisa ajustar o volume da TV em algum número múltiplo de sete; precisa limpar, uma por uma, todas as cerdas da sua escova de dente antes de bochechar e cuspir a pasta!  Você está certo de que se não lavar as mãos três vezes seguidas, com sabonetes glicerinados de cores diferentes, depois de  dar duas corridinhas ao redor da mesa de jantar antes de dormir, uma bigorna gigante cor de chumbo cairá sobre a sua cabeça!

Você é uma pessoa perturbada… É!  É sim…  E nem precisa fazer vista grossa, fingir que não ouviu, sair de fininho… Sabemos de coisas sobre você que até Deus e o diabo duvidariam…  Aliás, dá para parar com esse tremelique na  perna enquanto falo contigo?

Não esquenta… Somos discretos. Temos anos de experiência e nosso foco é nos resultados – ainda que repetitivos! Só a Magazine Compulsiva lembra de você!

Só a Compulsiva dispõe da mais seleta linha de itens especialmente dedicados às pessoas perturbadas. Não perca essa oportunidade! Tranque e destranque a porta da sala três vezes – para confirmar se ela está realmente fechada – e confira já algumas de nossas ofertas em destaque.

Na sessão de obsessões femininas, já está à venda (ao menos nas filiais de bairros que começam com a letra F e não tenham o número 13) um aplicativo para celulares smartphone, programado para ligar automaticamente para o seu marido de 30 em 30 minutos! O software já vem com um pre-set de perguntas gravadas em áudio: “Amor, no que você está pensando?” “Amor, confessa eu tô gorda, né?” e “Que voz é essa aí do lado, hein?”.

No módulo especial voltado aos paulistanos, um dicionário de concordância verbal desenvolvido por bêbados dará, enfim, legitimidade a estranha obsessão do paulista em de dar tanta porrada na gramática diariamente… Graças à Compulsiva, pedir ‘dois pastéus’ e ‘um chops’ agora terá jurisprudência vernacular!

Na sessão japonesa, a novidade é a câmera fotográfica que já vem com todas as fotos reveladas antes mesmo do japa sair de viagem obcecado pelo seu fotocídio… Ou seja, o resto da humanidade, enfim, agora também terá espaço para fotografar nos principais pontos turísticos mundiais! Nada daqueles grupos enormes de japa (existe algum deles que não ande em grupo?) com dedos nervosos, clicando Nikons e Canons caríssimas, a torto e a direito, impiedosamente por onde quer que passem (argh!).

Atenção também para nossa sessão de importados: o badalado “Neuros Assépsius Compulsive Washer”, limpador sistemático e repetitivo de maçanetas da Crazy Washer´s.

E mais! Relógios programáveis e personalizados: que não marcam segundos repetidos; que não marcam minutos múltiplos de oito; que só marcam os números pares; que não marcam os números primos; que não marcam as horas! (oi?)

Organização congênita, assepsia crônica, simetria aguda, verificação endêmica, repetição, repetição, repetição, repetição, repetição, repetição (bate duas vezes na mesa, agora!!!!!). Você vai se sentir em casa!

Acesse já o nosso site (depois de limpar os teclados com aguarrás de novo) e confira as promoções da Compulsiva.

“Compulsiva! Obcecada por você!”

Daniel Marinho
Texto originalmente publicado no site Curta Crônicas