O Pastor quer o meu dinheiro!

E qual não foi a surpresa, de novo, quando abri o envelope que chegara do correio. O Pastor Silas Malafaia – sim, aquele que passa mais de 25 horas por dia pregando “em nome de Deus” em horários comprados na Rede TV, Band e, claro, Record – tem insistido em querer se corresponder comigo.

Já é o terceiro envelope que recebo. Sempre polpudo, cheio de propagandas, folders, livretos e ensinamentos sobre como EU devo viver a MINHA VIDA, além das promessas de realizações e de um futuro próspero àqueles que agraciarem o valor de sua fé malafaica.

A fé, nesse caso, veio escrita num papel com código de barras, que é pagável preferencialmente nas agências Bradesco. Para facilitar, o ‘Boleto de Contribuição’ já estava até mesmo com o meu nome completo impresso – naturalmente, sem meu consentimento -, seguido de minha nova titulação, até então por mim ignorada: “Parceiro Ministerial Especial da Associação Vitória em Cristo”.

Na encomenda divina, além do mais bem diagramado boleto de cobrança que já vi em vida, veio também o libreto “Um Bom Futuro para Você”, do Pastor Silas Malafaia, uma mensagem desejando Feliz Natal (atrasada) e um 2011 de bênçãos para mim “e para toda a minha família” do Pastor Silas Malafaia e uma edição da Revista Fiel, cuja matéria de capa abordava o assunto… Pastor Silas Malafaia.

É bem verdade que o Natal de felicidades à que o Pastor se referia só estaria completo, segundo um encarte anexo, se eu desse aos meus chegados o que era então anunciado como “o melhor presente do mundo: a palavra de Deus – um presente para a vida eterna”. Em outras palavras: A “Bíblia da Mulher Vitoriosa”, disponíveis nas cores branca, duotone (?) e lilás-bordô; a “Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira”, nas cores marrom-creme, cinza-azul, creme-vermelho ou preta, dentre outras obras de renome da literatura mundial contemporânea.

Os ‘presentes melhores do mundo’, indicados pelo Pastor, são todos editados pela Editora Central Gospel – cujo endereço por coincidência é o mesmo da Associação Vitória em Cristo, do Pastor Silas Malafaia – e podem ser adquiridos em até 10 vezes sem juros no cartão ou cheque pré.

Como já dá para supor eram as mais nobres as intenções do meu novo “Pen Pal”; ele inclusive assegurava que uma vez depositada a contribuição do Parceiro Ministerial Especial – aquela do Boleto bem diagramado – na sua sacra-conta-corrente ele (sic) “glorificaria o Senhor por minha vida”. E ainda, por solidariedade, fazia o favor de me lembrar que caso eu já estivesse com o dinheiro, deveria enviá-lo I-M-E-D-I-A-T-A-M-E-N-T-E…

É que é o seguinte, o Pastor mesmo disse: “quando Deus fala ao nosso coração a respeito de uma semeadura, é porque Ele já tem uma colheita preparada para a gente”.

Entendeu?

Quando Deus fala??!?!

Das duas uma, ou o Pastor num grau acentuado de esquizofrenia lunática acredita piamente ser o procurador da palavra – e por extensão da conta bancária – de Deus, ou estão querendo me fazer crer que Jeová desce ao Brasil todo dia para, vestido de terno e gravata e com o cabelo chupado de gumex, gravar programas de auditório evangélicos em templos do subúrbio carioca!

Até onde o sacro óleo de peroba pode limpar o pecado do mundo?

Pastor, tende piedade de nós!

Daniel Marinho

O deserto e a roda

Corto estradas do deserto.
É a sede… a aridez que periga.
Me escoro no incerto,
no vácuo sonoro do silêncio,
nos retratos
de uma natureza despida.

Cruzo dimensões tortas.
Abro janelas no tempo.
O céu é a última porta.
Só o horizonte
cala os uivos de vento.

Tudo é tela vazia.
Tudo é o que anda comigo.
Tudo é o motivo da ida.
Tudo é pra ser preenchido.

Não há derrota, vitória, empate;
os deuses estão na torcida.
Não há sombra num Calafate
e a noite quase se dá
por esquecida.

São frutos de matéria morta
de uma natureza vencida.
Não importa,
ainda assim,
fecundaram minha vida.

Tudo é tela vazia.
Tudo é o que anda comigo.
Tudo é o motivo da ida.
Tudo é pra ser preenchido.

A Luz é insônia;
o mundo, rasteiro.
Miragens de piscina.
Desertos da Patagônia.
Não há mais roteiro,
nem Argentina

É o Tao.
O pulso timoneiro.
O roteiro que a vida ensina.

..

Daniel Marinho